.


“Você é o que pensa. Você é o que procura. Você é o que faz”. Bob Richards

22 de abr de 2016

Coro da Primavera, José Afonso


CORO da PRIMAVERA



Cobre-te canalha
Na mortalha
Hoje o rei vai nu
Os velhos tiranos
De há mil anos
Morrem como tu
Abre uma trincheira
Companheira
Deita-te no chao
Sempre à tua frente
Viste gente
Doutra condiçao
Ergue-te ó Sol de Verao
Somos nós os teus cantores
Da matinal cançao
Ouvem-se já os rumores
Ouvem-se já os clamores
Ouvem-se já os tambores
Livra-te do medo
Que bem cedo
Há-de o Sol queimar
E tu camarada
Poe-te em guarda
Que te vao matar
Venham lavradeiras
Mondadeiras
Deste campo em flor
Venham enlaçadas
De maos dadas

Semear o amor
Ergue-te ó Sol de Verao
Somos nós os teus cantores
Da matinal cançao
Ouvem-se já os rumores
Ouvem-se já os clamores
Ouvem-se já os tambores
Venha a maré cheia
Duma ideia
P'ra nos empurrar
Só um pensamento
No momento
P'ra nos despertar
Eia mais um braço
E outro braço
Nos conduz irmao
Sempre a nossa fome
Nos consome
Dá-me a tua mao
Ergue-te ó Sol de Verao
Somos nós os teus cantores
Da matinal cançao
Ouvem-se já os rumores
Ouvem-se já os clamores
Ouvem-se já os tambores

Tuna Académica de Lisboa - Coro da Primavera

Tuna Académica de Lisboa - Fado de Cada Um

Tuna Académica de Lisboa - Sol de Inverno

Minha Mãe - Serenata Monumental‪ - Queima das Fitas Coimbra 2013‬